segunda-feira, 28 de setembro de 2015

O povo de Deus em meio ao caos

Olhando o cenário atual do mundo em que vivemos, convido você a refletir sobre algumas questões que suponho sejam pertinentes nestes dias:
·        Como nos sentimos durante a semana ao abrimos o jornal e nos depararmos com uma realidade que nos remete às muitas guerras espalhadas pelo mundo, inclusive no Brasil?
·        O que dizer da violência contra o semelhante, das torcidas organizadas ao final de jogos quando seu time é derrotado?
·        O que é possível falar sobre o tráfico humano, a exploração e aliciamento sexual, os estupros, a pedofilia?
·        O que pensar da pobreza, da fome, da miséria?
·        Quais ideias passam em nossa mente ao percebemos que existem países falindo, como no caso da Grécia, outros tem sua população em fuga da guerra, arriscando suas vidas em alto Mar, como na Turquia, pessoas estas que são imagem e semelhança de Deus?
·        Como pensamos em Deus e na Sua ação ao nos depararmos com relatos de pais que matam seus filhos, de filhos que matam seus pais; quando pensamos que há uma marginalidade crescente nas ruas, e nessas mesmas ruas há criaturas de Deus abandonadas pelo sistema, isso tudo diante da nossa inabilidade de fazer algo?
Assim como o resto do mundo, o Brasil está em crise, vivendo em caos político, com um Governo de modo geral corrupto, desacreditado, mas sustentado pelo nosso voto; numa sociedade que sabe o preço das coisas e das pessoas e não o seu valor. A mesma sociedade que está desfavorecida de serviços públicos eficientes, onde o conceito de democracia é traído quando chega à parte em que o povo deve ser servido. Temos governantes que cometem pecado social, ao explorar, roubar e se omitir quando deveriam cuidar da população.
Nosso cenário nacional é de desesperança e desgraça, no sentido de falta da Graça de Deus, um cenário de injustiça e inversão de valores e de princípios. Neste tempo, um das grandes questões subjetivas é a da identidade, ou da falta dela.
Então, quem somos nós em meio a tudo isto? Quem é o povo de Deus em meio ao caos, em meio ao sofrimento, às guerras, à desesperança, à crise financeira, ao esgotamento das reservas naturais?
Entre muitos textos elucidativos, vejamos o que diz I Pedro 2:9:
“Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;”
O apóstolo Pedro escreveu esta carta para um povo em crise, em perseguição, vivendo sob as loucuras e opressões do Imperador Nero em Roma. Sua primeira epístola é direcionada à Igreja Sofredora, pois, Pedro queria que em meio ao caos, o povo de Deus soubesse exatamente quem era e o que estava fazendo ali.
Este povo, assim como nós, foi chamado “o povo adquirido” para anunciar a Cristo e ser expressão de Sua Graça e amor ao mundo, porque a cura para a alma habita em cada um de nós! Logo, convido você a ser Jesus na vida das pessoas. Seja pequeno Cristo, seja cristão!

segunda-feira, 25 de maio de 2015

O Céu

No universidade eu tive um professor mega inteligente, super intelectual, que suas aulas foram divisoras de água na minha vida acadêmica, uma pessoa esplêndida. No entanto ele nunca conseguiu compreender como pode um crente aceitar o sofrimento terreno em troca da esperança de uma morada eterna no céu. Por mais que explicássemos ele jamais pode compreender a verdade do céu, pois ele se negou terminantemente a aceitar Jesus, O CAMINHO que leva ao céu.
No alto de sua inteligência, elaborou questionamentos sem aceitar respostas, pois a crítica real se manifestava em questionar, responder... bem, quem somos nós para termos respostas? De fato nenhuma resposta estava em mim, mas na VERDADE que ele não percebeu, não recebeu. Em sua concepção estamos todos fadados à morte, quer dizer, quase todos, pois, há alguns Iluminates iludidos com a VIDA. A VIDA está desde sempre na ESTRELA DA MANHÃ. Pena que seu coração permaneceu fechado à Sua luz, não LUZ Iluminati, mas LUZ CELESTIAL, a LUZ de CASA, da CASA de PAPAI.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Não posso me calar ♫ Daniel Almeida

Que a justiça flua como um rio
E o amor, seja a vestimenta
Dos que são conhecidos pelo nome do senhor
Povo santo, quero ser as mãos que trazem cura
Saciar aquele que tem fome
Ter nos olhos compaixão
Mostrar Tua graça e perdão
Que traz a cura, restauração

Há tanto pra fazer no mundo ao meu redor
E a cura para a alma vive em mim,
Não posso me calar, nem me acovardar
No poder do Espírito proclamarei, Tua salvação

Leva-me, aos que estão sedentos
Eis-me aqui, usa-me em Tuas mãos
Tu és o oleiro, eu o barro
Pronto estou pra ser moldado
Eis-me aqui, usa-me

Há tanto pra fazer no mundo ao meu redor
E a cura para a alma vive em mim, Jesus
Não posso me calar, nem me acovardar
No poder do Espirito proclamarei, Tua salvação

Quão formosos são os pés dos que proclamam Teu amor
Quão formosos são os pés dos que proclamam Teu perdão

Em lágrimas

Meu coração tem chorado por causa da igreja perseguida, por causa dos perseguidores da igreja. Tem chorado porque vidas são ceifadas todos os dias simplesmente pela sua fé. Choro ao entender que há tantas almas perdidas sem sequer perceber, almas que rangem os dentes, com um coração petrificado, com a emoção direcionada para o ódio, para a intolerância, para o extremismo. Meu coração tem chorado pela minha impotência, por que não sei como lhes mostrar Jesus.
Porém, meu coração tem clamado a Deus que mostre Seu poder, amor, graça e misericórdia, pois a Sua mão é poderosa para fazer infinitamente mais, segundo o beneplácito de Sua vontade. Se você também tem chorado em seu coração, então compartilhe comigo da intercessão por estas almas que, ainda que humanamente cruéis, são amadas por Deus e precisam ser libertas pelo sangue do Cordeiro.

Boa noite!

O silêncio...

"...tempo de estar calado, e tempo de falar;" tempo pra tudo!

Ando meio "pirangueira" de palavras. Imergi num silêncio tão profundo que faz quase dois anos que não escrevia nada, mas posso garantir que meus botões quase escreveram um livro! :D

O tempo de silêncio é para mim um tempo de aprendizado, um tempo de observação, de leitura do mundo fora de mim, para compor ideias novas, ratificar valores e conceitos, ajustar o rumo da minha história. Muita coisa aconteceu: iniciei o curso de Bacharelado em Teologia, deixei de trabalhar no Ensino Fundamental e estou trabalhando na Educação Infantil, quase morri em um acidente de trânsito, mas sempre pude perceber a presença latente do Senhor!

Com silêncio ou com palavras, posso glorificar o nome desse Deus tremendo que em cada etapa da vida, está presente, trabalhando, agindo em mim, através de mim e dos outros, com quem tenho aprendido tanto!

Aleluia!

Por que oro?

Há tempo para todo propósito debaixo do céu, disse o pensador sábio. No entanto, tendemos a querer acelerar nosso tempo quando chega a estranheza da mudança interna em nós. Queremos estar nivelados porque pensamos que assim somos aceitos, somos amados, quando na verdade, só somos aceitos e amados quando redescobrimos quem somos depois das mudanças e dos caminhos por onde passamos.
Por que orar? Por que o nosso Pai sabe quem somo quando ainda estamos perdidos em nós mesmos, quando nossos medos nos oprimem, nossos anseios nos sufocam, e nossas palavras presas são indigestas.
Falo com Deus porque Ele me conhece desde as entranhas, então, pacientemente vai me ouvir, amorosamente vai me entender, generosamente vai aguardar que eu esteja pronta para viver Seus sonhos e Seus planos, tudo isso enquanto molda meu caráter até que enfim, eu esteja semelhante a Cristo.

Boa noite!

terça-feira, 4 de junho de 2013

Ouvindo Deus

A parte mais difícil, ou mais trabalhosa no tocante à oração, é aprender a identificar a voz de Deus falando com a gente. Isto tem sido um desafio que estou vivenciando diariamente e tem sido fantástico reconhecer a voz poderosa do Senhor!!!

Há um trecho da Palavra em que o Mestre diz: "Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido.João 10:14

Como todo relacionamento deve ser constituído por fala e escuta, não faz sentido algum apenas tagarelarmos diante do Pai, nos virarmos e irmos dormir, precisamos aprender a ouvir a voz de Deus, a reconhecer quando o nosso pastor nos chama, e Ele nos chama pelo nome e fala ao nosso coração.

Desejo ouvidos mais sensíveis a todos e todas e a mim também!

Shalom Adonai

domingo, 30 de setembro de 2012

Os desafios na vida do novo cristão

Resolvendo problemas entre os irmãos

A Bíblia afirma: “É inevitável que venham escândalos” (Lucas 17:1). No entanto, devemos estar atentos para o fato de que o conflito pode ocasionar pelo menos dois perigos.

Primeiro: conduta ímpia. “Ira” é perigoso. Uma pessoa irada diz coisas prejudiciais que agravam o problema (Provérbios 15:18). É possível que os irmãos até esqueçam a questão inicial, mas fiquem de mal por causa do ressentimento que tomou conta deles. “Segui a paz com todos . . . nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe” (Hebreus 12:14-15). A amargura é uma raiz forte e profunda que, como uma grama na calçada, pode minar um alicerce sólido. Cuidado com os seus resultados: o ódio, as discussões, os ciúmes, acessos de ira e dissensões. “Não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam” (Gálatas 5:20-21; Tiago 3:13-16).


Segundo: impacto negativo na vida dos outros. O versículo que adverte contra a amargura diz: “Nem haja alguma raiz de amargura que, brotando, vos perturbe, e, por meio dela, muitos sejam contaminados” (Hebreus 12:15). Outras pessoas podem ser envolvidas na situação e ser tentadas a pecar. “Qualquer, porém, que fizer tropeçar a um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse afogado na profundeza do mar” (Mateus 18:6). Não demora muito para devastar uma igreja, nem é tão difícil! (1 Coríntios 5:6)

Como resolver os problemas

Nas “coisas desta vida . . . por que não sofreis, antes, a injustiça? Por que não sofreis, antes, o dano?” (1 Coríntios 6:3,7).

Mas quando há pecado em jogo, deve ser enfrentado. “Se teu irmão pecar [contra ti], vai arguí-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão. Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça. E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e publicano” (Mateus 18:15-17). Aqui Jesus oferece quatro etapas para a solução dos problemas entre os irmãos.

Ir. Se a culpa é do outro, vá a ele. Se é sua, vá a ele (Mateus 5:23-24). Não diga: “A culpa é dele; ele é que tem de se desculpar para mim”, nem “Se ele tem um problema comigo, ele deve vir falar comigo a respeito”.
 Repreender“Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o” (Lucas 17:3). No entanto, lembre-se de falar “a verdade em amor” (Efésios 4:15). Como Paulo instruiu a Timóteo: “Corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina” (2 Timóteo 4:2).
Ž Perdoar“Se ele se arrepender, perdoa-lhe. Se, por sete vezes no dia, pecar contra ti e, sete vezes, vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe” (Lucas 17:3-4). Jesus nos ensinou a perdoar os outros para que Deus nos perdoe (Mateus 11:25-26). Deus nos perdoou tanto que não devemos impor limites para perdoar (Mateus 18:21-35). Jesus demonstrou perdão na cruz (Lucas 23:34).

Retirar-se. Quando um homem, em particular, procura falar com um irmão sobre o seu pecado e este se recusa a ouvir, ele deve levar uma ou duas testemunhas para abordá-lo novamente. Se ainda não quiser escutar, deve ser levado diante de toda a igreja. O objetivo é “ganhá-lo” (Mateus 18:15). Se ele se recusa a escutar a igreja, ele está andando desordenadamente (pensando num estilo de vida e não num fato isolado) e foi encorajado repetidas vezes para mudar o seu procedimento. Os cristãos devem afastar-se dele e não manter seu contato social com ele (2 Tessalonicenses 3:6,14). Ele ainda é bem-vindo como irmão na assembléia (“adverti-o como irmão” – 2 Tessalonicenses 3:15), mas não nos eventos sociais, nem mesmo nas refeições (1 Coríntios 5:11). Essa recusa de “ficar na companhia” dele é descrita como entregá-lo “a Satanás para a destruição da carne, a fim de que o espírito seja salvo no Dia do Senhor [Jesus]” (1 Coríntios 5:5) e tem por objetivo envergonhar a pessoa (2 Tessalonicenses 3:14). O resultado desejado é salvar o espírito (1 Coríntios 5:5), mas, de qualquer forma, a igreja está limpa, purificada do mal (chamado “fermento” devido a sua capacidade de se espalhar rapidamente – 1 Coríntios 5:6).

Qualquer coisa que você faça, aja rápido. A resolução dos problemas entre irmãos deve acontecer antes de adorarmos a Deus. “Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma cousa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta” (Mateus 5:23-24). “Irai-vos e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira, nem deis lugar ao diabo” (Efésios 4:26-27).

–por Gary Copeland

terça-feira, 29 de maio de 2012